segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Dois perdidos numa noite suja

-   E aí safadão, tudo beleza?
-   Tudo ótimo moleque e contigo? Na verdade moleque sem coragem para sexo a três!
-   Poxa gatão, desculpa, mas não curti teu namorado... Agora você eu pego fácil!
-   Sem neuras gatão, nem da pra ficar com alguém que não nos atrai, mas faz parte e também morro de vontade pegar você.
-   Trepa comigo então, me arregaça! Quero sentir até suas bolas, aí que vontade do caralho!
-   Tesudinho safado!
-   Quer me foder quando? Manda uma foto do pau.
-   Pode ser sábado, o que me diz? Tem local? Vamos trepar no mato, o que me diz? Sua bunda continua uma delicia, me diz que foto é essa?
- Não tenho local, mas curti a ideia de ir no mato! Nunca fiz... Será que aparecem outros paus para eu chupar enquanto você mete em mim? Ta aí?
-   Sim, mas minha net está oscilando demais hoje... Sábado? Umas 14h?
-   Super vontade e está marcado! Te encontro no terminal de ônibus e de lá nos viramos. Cara eu sonho ficar contigo! Desejo de consumo total! rs Não quer me pegar no carro agora? Damos uma rapidinha!
-   Agora não consigo... Te vejo sábado e me manda uma fotos de bunda para eu ir aquecendo meu pau pra você.
-   Delícia...

Obviamente segurar a ansiedade que antecede uma trepada fenomenal e algo difícil de fazer, mas a correria ajuda a minimizar o estrago. Logo pela manhã no sábado...

-   E ae bonitão pronto pra levar umas estocadas no mato? Pau duraço e babando aqui. Esses dias tenho exercitado muito meu pau pensando em você!
Silêncio... Silêncio... Silêncio...
-   E aí, às 14h lá no terminal?
Enquanto isso o barulho do relógio marcava os minutos 13:10, silêncio, 14:55, silêncio, 16:36, silêncio, 16:47...
-   Cara gosto de você, mas não vai rolar mais nada ficamos na amizade. Super beijo pra ti.
-   O que houve?
-  Ué, marcamos às 14:00, tentei falar contigo e nada. Você aparece como se nada tivesse acontecido, combinado... Sem raivinha, mas você precisa ficar mais atento.
-   Estava dormindo. Ok e abraços.
-   Kkkkkkkkkk. Ok e bjs.


Palhaço...e corre atrás até hoje... leva um block atrás do outro...

sábado, 11 de fevereiro de 2017

O desprograma

Pronto agora algumas fotos de rosto estão liberadas! Nada de ficar dentro de um armário virtual!
Olha esse cara loirinho! Parece gato, mas só dá para ver uma parte da cabeça... Vixemariajose, como vou avaliar se o material é bom? Um pau de 24 cm? Caramba, isso é uma britadeira? Uma coluna grega?

(PauzudaoXYZ solicita liberação de suas fotos ocultas). Vixe... Vou pedir as dele também... Conversar com pedaços de cabeça me dá nos nervos!

(Orapazdoladodeca solicita liberação de suas fotos ocultas...).
Caramba, que pau enorme! Grosso, cheio de veias, torto e clarinho clarinho, mas cadê o rosto da criatura? Deus, dai-me paciência...
Vamos tentar contato alfabético! Oremos!
-   Rosto? Ativo?
-   Libera as suas aí brow.
Adoro viado que acha legal bancar o hetero... Volte 32 casas!
- Cara, pau eu também tenho e lembra o formato do seu... Rosto é mais pessoal, entende? A minha cara esta aí pra você avaliar...
-   Libera as suas que mando as fotos por mensagem.
-  Entendo... Deixa eu organizar as ideias... Libero minhas fotos privadas, pois você já viu minha cara e me achou no mínimo pegável, se eu tiver uma tatuagem do Corinthians e você for palmeirense me descarta e eu nunca vou saber quem é você, bem bacana. Infelizmente pra mim não rola assim.
-   Vlw!
-   Vlw!

No final das contas você descobre que a criatura se apresenta como garoto de programa e heterossexual num aplicativo gay... escapei dessa! Ufa!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Cowboy viado

Toda vez que abro o Hornet tenho a sensação de entrar num jogo de xadrez... Há um verdadeiro mosaico de tipos gays que encontram, inclusive, similaridades com as peças de um tabuleiro!
Naquele dia cruzei com um desejado e conhecido rosto que pessoalmente era um cara inacessível! Por uma dessas coincidências o rapaz curtiu meu perfil e acabou puxando papo o que, confesso, me deixou extremamente vaidoso! Moreno, baixinho, olhos claros, barba por fazer, pêlos na medida certa, um verdadeiro cowboy!
-   Fala cara, tudo bem contigo?
- Beleza rapaz e com você? Já cruzei contigo por aí! Realmente lindão, na verdade lindinho, ne? Não resisti a brincadeira!
-   Kkkkkkk ;). Nossa você tem a maior cara de machão, delícia cara! Deve saber fazer gostoso.
- Poxa, realmente não sei, mas podemos dar um jeito de você fazer uma avaliação, que me diz?
-   Huum. Tem foto pelado aí?
-   Não tenho, somente ao vivo! No perfil somente de rosto mesmo... É só marcar e nos divertimos em algum lugar!
-   Sem problema e boa ideia! Cara vou sugerir uma coisa... Geralmente não faço sem, mas você topa fuder sem capa?
-   Gatão obrigado pelo convite, mas não consigo... Com preservativo não rolaria?
-   Putz! Com esse jeito de machão e no fundo e uma bichinha fresca! Que merda! Olha só como as aparências enganam!
 - Carinha eu acho que ser macho e ter opinião! Você só faz de vez em quando, mas agora virou pré-requisito? Respeito quem curte leitada, mas não acho que isso te faz mais ou menos corajoso que outra pessoa.
-   Blá blá blá nem li, bichinha, bichinha, bichinha... Nem gosto de gordo, careca, afeminada, velha, punheteira... Sai daqui, pleaaaseeeee!!!
-   Curioso e engraçado você falar que não sou macho, pois uso preservativo pra transar... E você, onde te enquadro por transar de lingerie?

(BLOCK)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Retomada - Parte 2

Em minhas primeiras tentativas de escrita é possível perceber o fel característico dos primeiros meses após o fim de namoro não tão bem resolvido assim, mas logo começariam a surgir as delícias e loucuras das primeiras incursões ao divertido mundo do sexo gay.
Sou um observador voraz e um curioso incurável, por conta disso acabei coletando dados e impressões sobre a hipocrisia e o preconceito que permeiam os lugares gays e fiquei intrigado com muitas coisas.
Depois de um período de maior produção de textos precisei dirigir meu olhar para o mundo profissional e acadêmico, pois a vida decidiu tomar outros rumos e era o momento de aproveitar a chance dada pela Deusa da Oportunidade que, reza a lenda, possui cabelos somente na parte da frente da cabeça!
Hoje volto com outras percepções, novas experiências e uma necessidade imensa de trazer à tona histórias vivenciadas nos “lugares” virtuais onde os gays de certa forma convivem e também um pouco das delícias e dissabores de ter uma relação aberta.
A virtualidade trouxe desafios sem, no entanto, diminuir a solidão ou aproximar pessoas como muitos acreditaram num primeiro momento. Tenho a impressão que essa funciona como uma espécie de “dimensão” na qual é possível ser quem se deseja ser, sem que isso necessariamente corresponda à realidade...uma verdadeira ilha da fantasia! A fuga para o virtual parece ser um modo de evitar os riscos típicos de um encontro ao vivo e cada vez mais destinamos um tempo precioso para ler perfis em sites como Disponível e Manhunt, já um tanto ultrapassados, e gastamos muitos bytes para sentir virtualmente o corpo de outros homens por meio dos radares gays, tais como: Hornet, Grindr e Scruff. Aplicativos esses cuja especialidade é apresentar os metros que nos separam da concretização (ou não) de uma nova experiência, uma dinâmica com pitadas de sadomasoquismo.
Espero que meus textos incomodem e ajudem a questionar alguns dos preconceitos tão naturalizados! Por conta da proposta de retratar os encontros virtuais talvez eu reproduza termos e estruturas desse tipo de comunicação.
Acredito que o gay tem o direito de ser livre em sua expressão afetiva/sexual, mas também deve ser um crítico mordaz das verdades absolutas e da “tradição”. Considero mais importante arejar ideias do que apostar simplesmente na ousadia da forma (roupas, piercing, cabelos, tatuagens, etc.).

Espero que vocês gostem dos novos textos e se quiserem entrar em contato estarei por aqui.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Retomada - Parte 1


Não lembro se contei essa história, mas quando retomamos algo como a produção de textos para um blog acho importante falar um pouco sobre as motivações para a produção dos textos que compartilhamos, ainda mais quando a pretensão é abordar temas diversos, embebidos em homoerotismo e deslavada pornografia...
Depois de 7 anos o amor acabou, o casal modelo, exemplo, referência desaparecia no ar... Felizmente não houve um grande número de batalhas, vinganças e desditos, morreu sem graça, entretanto, como qualquer outro fim este também deixaria na boca aquele gostinho amargo tão comum em situações de frustração e incredulidade.
Eu sou um dos lados desse casal e a quietude do fim reverberou dentro de mim e causou desconforto por um simples motivo: eu ainda amava meu ex-namorado.
Fui tomado pelo desespero, desconforto e principalmente por um frio incomensurável e infinito que me guiou para a certeza de que em breve não me restaria um só fio de razão e antes que este rompesse decidi procurar ajuda e durante algum tempo me entreguei aos cuidados de uma terapeuta junguiana e até procurei a ajuda de uma especialista em florais de Bach!
Como quase todos em fase pós-dissolução de relacionamento decidi vivenciar tudo aquilo que fosse possível e, seguro em termos sexuais!
Como uma forma de canalizar um pouco de minha libido, compartilhar experiências, extrapolar meus limites como pessoa comecei a escrever sobre coisas vividas, idealizadas e outras na qual atuei unicamente como espectador ou como dizem os contadores de historia “de ouvir falar”.


Continua...

terça-feira, 29 de julho de 2014

Tempus fugit

Durante muito tempo estive ausente...
Tantas coisas aconteceram...
Os desejos sombrios ainda existem, mas agora vivem enrodilhados no silêncio... O mais atroz deles...
A carne grita enlouquecida contra as paredes de um corpo que aos poucos é vivificado pela loucura e insensatez... instrumentos de uma sabedoria ilógica e perturbadora!


sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Impossibilidades

Não havia possibilidade daquilo acontecer...Mas era verdade!
Debaixo daqueles cabelos lisos e pretos um brilho de olhos curiosamente desejosos apontavam em minha direção...
Havia tantos ali, qual o mistério que existe por trás dessas caprichosas escolhas de um Destino de improváveis? Nunca cheguei a entender, e sinceramente duvido que alguém um dia tenha conseguido responder satisfatoriamente essa questão.
Os olhos persistiam e mais insistiam em deliciosamente cuspir saliva num pau duro e grosso.
Chegaram tantos naquele lugar que era problemática uma troca segura de olhares, embora eratambém  impossível negar um desejo que de tão forte já tomava ares de corpo, como se ali houvesse um terceiro a curiosamente observar.
Com um simples gesto e pequenos acenos de cabeça combinamos algo inaudito! Iríamos para um lugar no qual pudéssemos literalmente sorver nossa loucura...
Deveria ser um lugar próximo, pois o tesao não permite demoras uma vez que a coragem só existe enquanto é vívida a possibilidade de gozar... Uma cabide de peep show viria bem a calhar, afinal de contas nunca se sabe quantos rabos estão presos a alguém...
E assim entramos separados porta adentro daquele lugar tão conhecido e descobrimos o quanto aquelas opressivas paredes frias e verdes poderiam ser infinitamente alcoviteiras.
Uma camisa caiu no chão, logo acompanhado por um som de duro metal do qual era feito aquele cinto tão indesejável naquele momento.
Bocas ávidas se tocaram, se lambuzaram de saliva e esta escorreu corpo abaixo como a apontar para um tormentoso rio o caminho para se chocar com o mar.
Ao olhar meu pau já lambuzado percebi que pouco tempo havia...e logo eu já gozava próximo daquele corpo branco, métrico e sem pelos.